Skip to main content

Como os números podem ajudar artistas a entenderem seu Público?

Desde que as plataformas passaram a oferecer os recursos “4artists” e as redes sociais passaram a mostrar suas estatísticas de alcance e engajamento, há um “fetiche” por métricas no mercado musical. Sim, esses números são muito importantes.

Mas você já deve ter notado que não é possível obter deles tudo o que você gostaria de saber para conhecer de verdade seu público.

Exemplo do limite das estatísticas

Por exemplo: você mantém um intenso diálogo com seu público nos shows (quando isso era possível) e nas redes. Faz uma campanha de lançamento e percebe que você teve mais plays e seguidores após a campanha. Mas olhando as estatísticas do Spotify, você consegue saber exatamente quanto desses plays vieram da campanha? Quantos deles vão continuar te seguindo no Spotify? Qual foi a taxa de conversão da sua campanha? E qual é a taxa de conversão de outros artistas do mesmo “tamanho”, para que você possa avaliar sua estratégia? O Spotify sabe de onde vieram seus fluxos, mas ele não compartilha as taxas com você.

Além disso o Big Data não está disponível a todos no mercado musical. Grandes corporações têm suas próprias plataformas de dados e BIs, mas isso não está acessível a artistas e profissionais da gestão de carreiras em geral.

Ou seja, os números estão lá (e isso é ótimo, principalmente se compararmos com a era do CD). Mas você não tem todos os parâmetros de que precisa para tomar suas decisões e pensar em suas estratégias. Além da análise desses números você precisa interpretar o contexto dos números.

Como otimizar sua relevância

É isso o que fazemos nas nossas consultorias e cursos: agregamos contexto aos números.

Nosso método, que utiliza 12 ferramentas práticas, recompõe o ambiente da resposta do público, para entender a decisão dele de “gostar” ou “não gostar” da sua música.

Refazemos as relações de cada escolha do artista, de cada feedback do público, de todos os pares do nicho. Atribuímos significados a cada elemento encontrado e sistematizo tudo com método, para que o artista possa relacionar seu trabalho a esses significados e então ser mais relevante.

Com essas ferramentas qualitativas, os ganhos para a careira são mais duradouros do que pensar apenas nas métricas, que oscilam e não te entregam o que prometem.

Se você não está pensando numa consultoria agora (o momento está difícil para todos), não tem problema. Compartilhamos nossos métodos na íntegra, incluindo as 12 ferramentas, no curso Estratégias de Carreira: o Raio-X do projeto artístico no Music Rio Academy.

O curso é mais barato que a consultoria completa, e você poderá fazer uso das ferramentas por toda a sua vida. E ainda aproveita o networking qualificado do Academy.

O que você vai aprender

  • compreensão da origem e dinâmica da formação do gosto (sim, gosto se discute! E você pode aproveitar isso!);
  • valores artísticos ocultos em nichos musicais (você conhece bem as regras do seu nicho e o projeto de seus pares?);
  • estratégias ortodoxas e heterodoxas de distinção (arrisco ou não arrisco? Como posso me diferenciar de meus contemporâneos?)

Como você vai aprender

Vamos traduzir métodos sofisticados (oriundos da Sociologia e da Psicologia Social) dos especialistas em tendências, em ferramentas simples e acessíveis. Elas vão revolucionar seu projeto artístico e te ensinar a pensar música como os grandes artistas de nossa época, para que então você possa desenvolver seu modelo de negócio de maneira integrada aos seus objetivos artísticos.

Conteúdo aula a aula

AULA 1 – Gosto: como eu assimilo

  • Introdução e apresentação da proposta
  • Pressupostos: indústria fonográfica e alcance
  • O Big Data e a predição de comportamentos na economia da atenção
  • Padrões e multidimensionalidade do gosto
  • Como se forma e se reproduz o gosto

AULA 2 – Repertório: como eu estruturo

  • Meu capital artístico
  • Meu repertório
  • O que é meu e o que é do mundo?
  • Quanto eu sei interfere na minha percepção sobre mim
  • História do campo, história cultural, história das ideias

AULA 3 – Alcance: o que eu mostro e como me veem

  • As regras do jogo: quem está dentro e quem está fora
  • Capital e interesse
  • Legitimidade, relevância e reputação
  • O Zeitgeist e os sentidos compartilhados
  • Estudo de caso: Rashid

AULA 4 – Ferramentas 1 a 6

  • Mapa Interior
  • Diagrama de Dilemas
  • Atlas do Meu Território
  • Sonar do Mar Alheio
  • Desk Research de Público
  • Mapa do Meu Público

AULA 5 – Ferramentas 7 a 12

  • Guia do Nicho
  • Comunidade do Nicho
  • Pirâmide de Influência
  • Genealogia do Passado
  • Relatório de Tendências
  • Bússola do Futuro

Serviço

Modalidade: Online Ao Vivo

Datas: 31 de Agosto, 01, 02, 03 e 04 de Setembro

Horário: 19h às 22h

Inscrições aqui.