Skip to main content

Conheça o método Raio-X do Projeto Artístico: estudo de Público e Nicho

COMO ELABORAR UMA ESTRATÉGIA DE CARREIRA PARA ENGAJAR GENUINAMENTE O PÚBLICO?

A disputa pela atenção do público num mar de lançamentos diários é cada vez mais acirrada, e consome cada vez mais tempo e recursos financeiros de artistas e suas equipes. 

A análise de dados pode compreender os padrões principais de consumo da música em ambiente digital, mas não revela os motivos que levam a um dado padrão. Isso faz com que o padrão só possa ser reconhecido após ele tomar corpo. O marketing data driven pode ampliar o alcance, mas não necessariamente o interesse do público pela música, pois ele não investiga os motivos socioculturais do consumo. Dessa forma, os motivos que levam o público a se identificar com artistas e seus repertórios permanecem parcialmente desconhecidos. 

Para ampliar o interesse pela música, é necessário ir além dessas ferramentas, pois o consumo de música mantém fortes relações com o ambiente cultural, as formas de socialização e com as emoções das pessoas. 

A música só atrai o interesse do público e adquire relevância num determinado nicho se ela se relacionar ao seu ambiente cultural específico e à estrutura de sentimentos do público potencial. E isso o big data ainda não consegue identificar. É necessário utilizar técnicas de small data.

Na elaboração de estratégias de carreira, é possível agir sobre as relações entre a criação artística e os elementos culturais do ambiente e do público. Isso faz com que o artista não precise se restringir ao marketing e análise de dados, geralmente inacessíveis ao músico que atua de maneira completamente independente.

Especialistas em tendências de público utilizam técnicas da sociologia, da psicologia social, da antropologia e da neurociência para compreender de maneira qualitativa as dinâmicas do consumo de música hoje. Estas áreas do conhecimento ajudam a compreender como a música se relaciona ao ambiente cultural em que está inserida, e às formas de socialização e estrutura de sentimentos de seu público potencial.

O método “Raio-X do Projeto Artístico” de Dani Ribas, derivado de sua tese de Doutorado em Sociologia na UNICAMP, utiliza algumas dessas técnicas para compreender e aumentar o interesse do público pela música, e assim fazer com que a música adquira relevância num determinado nicho. É o que chamamos de “formação de público”, que vai muito além de chamar a atenção antes dos lançamentos.

COMO FUNCIONA O MÉTODO 

  • ele pesquisa e organiza atributos de identidade de artistas
  • mobiliza estrategicamente tais atributos para intensificar a relação com o público
  • usa as ciências sociais para interpretar qualitativamente o comportamento e a reação dos fãs aos estímulos
  • fornece os entendimentos dos motivos que levam o público a se identificar com artistas e suas obras no longo prazo
  • interpreta como os atributos de identidade do artista se manifestam no seu nicho de atuação
  • indica caminhos para que o trabalho criativo do músico se beneficie da relação com seu público e com as ideias do seu nicho.

São 12 ferramentas para analisar a demanda pelo trabalho artístico, que é tão importante quanto o processo criativo em si ou a oferta do produto musical no mercado. As ferramentas possibilitam o trabalho colaborativo e a co-criação entre: os diversos músicos de um mesmo projeto; entre artistas e suas equipes de gestão de carreira; e entre artistas e sua comunidades de fãs.

Os conceitos básicos compartilhados pelo método são:

  • Habitus, formação e transmissão do gosto (ajuda a entender a socialização, estrutura de sentimentos e o comportamento do público)
  • Distinção (ajuda a entender o comportamento de consumidor do público)
  • Capital simbólico e repertório (ajuda a entender os atributos de identidade do artista)
  • Campo de Produção Simbólica (ajuda a entender o ambiente cultural e as dinâmicas do nicho)
  • Legitimidade artística (ajuda a entender como direcionar o trabalho para conquistar maior relevância na cena musical)
  • Doxa (ajuda a entender o sentido das estratégias do nicho)

Para conhecer planos e modalidades (consultoria e mentoria) acesse a página serviços.

COMO FUNCIONAM AS FERRAMENTAS

As ferramentas práticas que operacionalizam os conceitos do método se distribuem em 4 eixos:

Ferramentas para pesquisa e organização de atributos de identidade artística:

1. Mapa Interior
  • primeira referência para compreender a visão de mundo do artista
  • favorece a consciência de si mesmo, de suas reações e seus atributos de identidade pessoal
  • entende a estrutura de sentimentos do artista pela perspectiva da sociologia
  • com o auxílio do conceito de habitus, entende a reação do artista aos estímulos do ambiente cultural de acordo com o próprio sistema de disposições internas do artista, e não de um personagem idealizado
  • não se compara ao Brand Persona (estratégia baseada na criação de personagens com os valores de uma marca) pois entende-se que a marca pessoal do artista se relaciona a processos sociais e estruturas psíquicas profundas construídas ao longo da vida na interação com pessoas e com o meio. O Mapa Interior busca compreender essas estruturas profundas e não apenas sua expressão mais imediata como marca pessoal.
2. Diagrama de Dilemas
  • aprofunda o conhecimento da visão de mundo do artista
  • compreende quais elementos de sua personalidade estão expressos em sua música
  • organiza e nomeia os principais atributos de sua identidade artística
  • dá subsídios para pensar estrategicamente quais atributos de identidade serão mobilizados no diálogo com o público
  • fornece elementos para o marketing digital autêntico
3. Atlas do Meu Repertório
  • sistematiza os principais aspectos de seu capital artístico
  • identifica forças e fraquezas desse capital
  • mostra as vantagens e desvantagens do artista em relação aos seus pares
  • ajuda a pensar quais aspectos serão valorizados na estratégia artística
  • ajuda a identificar lacunas de repertório que prejudicam a relevância artística
  • ajuda a compreender o próprio perfil do artista como consumidor para auxiliar a segmentação de público no marketing digital

Ferramentas para pesquisa do comportamento, estrutura de sentimentos e tendências de público:

4. Sonar do Mar Alheio
  • mobiliza aspectos da identidade artística para estabelecer diálogo com o público de maneira estruturada, com método e estratégia
  • identifica questões que são importantes tanto para o artista como para o público, para melhor conexão entre eles e engajamento dos fãs
  • ajuda a prospectar questões que são importantes para o público mas que o artista ainda não está trabalhando em suas composições
  • dá insumos para que o marketing digital seja mais genuíno e efetivo
  • ajuda a compreender o perfil consumidor do público
  • ajuda a traçar estratégias a partir da sistematização de dados fornecidos por redes sociais e plataformas de streaming
5. Desk Research de Público
  • ajuda a organizar e sistematizar de maneira simples e objetiva o conhecimento que o artista coletou sobre o público
  • agrupa por similaridade os achados da ferramenta 4 em grandes grupos de questões
  • identifica tendências do comportamento do público em diálogo com o ambiente cultural
  • dá nome aos principais grupos de questões que caracterizam o público
6. Mapa do Meu Público
  • delineia os principais aspectos da visão de mundo do público de acordo com a pesquisa realizada por meio das ferramentas 4 e 5
  • estabelece um ou mais perfis de público dentro de sua audiência com base em pesquisa qualitativa, indo muito além da técnica de buyer persona do Mapa de Empatia (técnica tradicional do marketing)
  • faz com que o público não seja apenas uma projeção do artista, mas seja considerado em suas especificidades reais
  • possibilita que o artista ajuste suas expectativas em relação ao seu público
  • resume o conhecimento que você coletou sobre seu público e o torna mais operacional para ações de marketing
  • pode ajudar na compreensão e conquista de novos públicos

Ferramentas para pesquisa do ambiente cultural e das dinâmicas específicas do nicho:

7. Guia do Nicho
  • primeira sondagem sobre o nicho de atuação do artista
  • identifica os elementos reconhecidos como referências estéticas no nicho
  • estabelece as primeiras referências para o artista entender a história e os valores musicais do nicho em diálogo com o ambiente cultural que o originou
  • permite pensar na sucessão de ideias no nicho ao longo do tempo
8. Comunidade do Nicho
  • por meio do conceito de alcance, aprofunda a análise da contribuição estética das referências do nicho
  • permite a elaboração de um diagrama artístico do nicho
  • ajuda a identificar os elementos da estratégia dos demais artistas do nicho
9. Pirâmide de Influência do Nicho
  • ajuda o artista a perceber melhor as estratégias de legitimação dos demais artistas do nicho
  • correlaciona as variáveis Capital, Interesse e Estratégia dos artistas do nicho
  • ajuda a avaliar a autoridade e poder de influência dos artistas que fazem parte do nicho
  • estabelece diferenças entre os diversos níveis de influência de um artista do nicho
  • aprofunda a compreensão sobre as relações de poder no nicho
  • identifica os valores e ideias ocultas ou não tão evidentes no nicho
  • identifica e interpreta o posicionamento atual do artista no nicho
  • ajusta a expectativa do artista em seu processo de legitimação no nicho
  • ajuda a traçar estratégias coletivas como feats, colaborações e parcerias

Ferramentas para reposicionamento estratégico do trabalho para maior relevância artística:

10. Genealogia do Passado
  • permite que o artista revise suas estratégias anteriores para pensar nas futuras, tendo como base todo o trabalho feito com as ferramentas anteriores
  • proporciona olhar crítico em relação aos lançamentos passados e etapas anteriores da carreira
  • torna possível que o artista reflita sobre a visão de mundo e os dilemas expressos em seu trabalho; sobre as referências estéticas já utilizadas e quais seriam interessantes para o momento atual da história do nicho; quais de seus capitais foram explorados ou valorizados; quais as estratégias artísticas e comerciais deram mais certo; qual a receptividade da crítica e do público; etc.
  • para artistas em início de carreira, permite repensar as estratégias que orientariam os primeiros trabalhos de maneira estruturada, planejada e com método, sem as ingenuidades comuns aos artistas iniciantes
11. Relatório de Tendências
  • possibilita que o artista identifique e nomeie tendências inovadoras na música, nas artes e no entretenimento
  • permite uma visão panorâmica para além do nicho, para o artista se conectar com o novo e com tendências emergentes no ambiente cultural de maneira geral
  • fornece um método simples e objetivo para a anotação de ideias que ainda estão difusas mas podem se transformar em matéria prima para a criação artística
  • permite que a expressão artística individual se relacione ao ambiente cultural, adquirindo pertinência para um público ampliado e maior relevância na cena musical
  • dá subsídios para o artista elaborar estratégias mais conscientes e menos modistas em relação aos aspectos inovadores da cultura
12. Bússola do Futuro
  • permite que o artista retome e sistematize todos os aprendizados até aqui para reformular suas estratégias e colocar tudo isso a favor de sua música
  • permite a definição das próximas estratégias de carreira de forma que o elemento criativo/artístico esteja no centro de todas as demais decisões do business (modelo de negócios, distribuição, marketing, parcerias, etc.)
  • permite pensar no rumo que o artista quer imprimir ao trabalho e à carreira daqui em diante
  • permite o artista reposicionar a carreira tendo em vista sua visão de mundo, seus dilemas internos, seus capitais, sua identidade artística, o conceito específico do lançamento e as referências estéticas que vai usar, os pontos de contato com o público, seus interesses e a relação com os valores do nicho, as parcerias que podem não apenas dar visibilidade mas principalmente agregar relevância ao trabalho, etc.
  • retoma todo o aprendizado para pensar nas próximas estratégias de carreira.

QUAIS SÃO OS GANHOS A LONGO PRAZO

Com esses conceitos e com as 12 ferramentas, o artista incorpora essa nova maneira estratégica de pensar à sua carreira, e pode usar as técnicas ao longo da vida, pois ele aprende a lógica por trás do consumo de sua música. O método desenvolve e potencializa a capacidade natural do artista de se comunicar com o público e de se relacionar com as ideias de seu ambiente cultural, fazendo com que ele assuma o papel de intelectual de seu tempo e adquira relevância e capacidade de influenciar seus pares.

O marketing digital passa a ser mais orgânico e menos sofrido, pois ele passa a ser orientado pelos valores genuínos compartilhados entre artista e seu público. A identidade artística passa a ser o maior ativo para a ampliação do alcance da música.

A estratégia passa a ser de carreira, de longo prazo e visando sua sustentabilidade, e não apenas pensada para o curto prazo dos lançamentos. A estratégia estrapola o modelo de negócio centrado na proposta de valor, pois coloca a área criativa no centro do business com ferramentas criadas especificamente para o mercado musical.

Uma identidade musical estrategicamente delineada – com métodos que conseguem captar a especificidade do produto musical diante de tantos outros produtos do entretenimento – é crucial para o desenvolvimento da capacidade de atrair e engajar público. Vale lembrar que a capacidade de atrair público é um elemento central na cadeia produtiva da música. É justamente essa capacidade que festivais, gravadoras e patrocinadores avaliam antes de investir no artista. É necessário desenvolver essa capacidade de atrair público para tornar o projeto musical mais relevante e atrativo para investidores. 

A abordagem é única no mercado, pois utiliza os princípios dos métodos científicos em ciências humanas para

  • observar e descrever o ambiente cultural em que o projeto artístico se insere;
  • levantar dados qualitativos complementares às análises quantitativas;
  • dar contexto aos padrões identificados pela análise de dados;
  • interpretar o significado cultural específico da obra artística num dado contexto.

O método, derivado da tese de Doutorado de Dani Ribas, fez com que a Sonar Cultural fosse reconhecida como uma das empresas filhas da UNICAMP em 2020, e traz consigo a larga experiência de uma das profissionais mais reconhecidas em pesquisa no mercado musical atual.

Preencha o formulário para avaliação de posicionamento artístico e peça um orçamento para consultorias.

Uma identidade musical autêntica e consciente é crucial para o desenvolvimento da capacidade natural do artista de atrair e engajar público. O resto gravadoras e distribuidoras podem fazer. Cada vez mais elas se ocupam da promoção e do marketing data driven. Mas a capacidade de se relacionar com o público e com as ideias de nosso tempo é a única coisa que o artista não pode abrir mão ou delegar. É isso o que festivais, gravadoras e marcas buscam num artista. É essa sua função social. Essa capacidade de se relacionar com o público e com as ideias de nosso tempo é a única coisa que ainda torna o artista insubstituível na indústria da música. Minha abordagem usa as ciências humanas para desenvolver e potencializar essa capacidade natural do artista que é insubstituível. O artista hoje tem mais facilidade em se ver como marca do que como pensador de nosso tempo. O que eu faço é ajudar artistas a pensarem nas duas coisas conjuntamente. É a capacidade de reflexão sobre o nosso tempo que faz o artista a adquirir relevância e capacidade de influenciar seus pares, e não transformar-se apenas numa marca pessoal construída sob medida para as redes sociais.

Dani Ribas